30 junho 2016

Hawking diz que homens não sobreviverão sem deixar o planeta

Stephen Hawking O físico Stephen Hawking afirmou nesta quarta-feira que a exploração espacial deve continuar, já que o futuro da humanidade depende disso, pois os homens não conseguirão sobreviver mais mil anos sem ir "além de nosso frágil planeta".

Hawking participou da terceira jornada do Festival Starmus que reúne cientistas e músicos em Tenerife e La Palma, nas Ilhas Canárias, na Espanha, entre eles 11 prêmios Nobel, em uma edição que se desenvolve sob o lema: "Além do horizonte, um tributo a Stephen Hawking". 

O cientista britânico ressaltou que há muitos experimentos ambiciosos programados para o futuro, como mapear a posição de bilhões de galáxias, além de utilizar os supercomputadores para compreender melhor "nossa posição" no Universo...


Nota: Disso eu já sabia, e faz tempo. O que Hawking não sabe, ou se sabe, finge que não sabe, é que este planeta tem uma promessa de que será restaurado, pena que Hawking não crê na existência do Criador/Restaurador. Que Deus ilumine essa mente para que ele, antes de descansar na tumba, abra a mente e o coração para ter esperança além da deusa ciência que nada pode fazer por ele.

19 novembro 2015

EI comemora ataques e promete hastear bandeira no Vaticano

Na última edição de sua revista digital, a Dabiq, o grupo jihadista Estado Islâmico (EI), responsável pelos ataques terroristas que mataram pelo menos 129 pessoas na última sexta-feira em Paris, diz que hasteará sua bandeira preta no Vaticano, em mais um claro ataque contra os membros da igreja católica.

"Pedimos a Alá que apoie os mujahideen (aqueles empenhados na Jihad) contra os agentes dos líderes da idolatria e os cruzados, até que a bandeira do Califado tenha sido hasteada em Istambul e no Vaticano", afirma a publicação.

Além das ameaças, o grupo jihadista usou a revista digital para comemorar o sucesso dos ataques na capital francesa. A capa da publicação traz o título "Apenas terror" e uma foto de bombeiros ao lado de um cadáver coberto por um lençol em um dos locais atacados na capital francesa. Ao todo, três suicidas se explodiram nos arredores do Stade de France - onde acontecia um amistoso entre França e Alemanha -, outros três invadiram o teatro Bataclan e uma terceira equipe disparou contra restaurantes nos 10º e 11º arrondissements.

As operações foram reivindicadas pelo EI, em resposta aos bombardeios franceses contra alvos do grupo na Síria.

Fonte Terra
Nota: Jornal O Globo desta manhã (confira aqui) publicou uma matéria onde afirma que o FBI informou as autoridades italianas que terroristas estão planejando ataques ao Vaticano, à catedral e à Praça de São Pedro, bem como à casa da ópera La Scala, uma das mais famosas casas de ópera do mundo. Sim, mas o que isso tem a ver conosco? No dia 22 de julho de 2015, o site Criacionismo, parceiro deste blog, publicou um artigo escrito pelo Pr. Sérgio Santeli, do blog Minuto Profético, também nosso parceiro, onde é feita uma análise dos últimos versos do capítulo 11 de Daniel (Clique aqui). Leia o artigo e compreenda as implicações que tal evento tem com os últimos acontecimentos descritos na Bíblia.

Diante das ameaças, o Papa Francisco pede às igrejas para manterem as portas abertas, leia sobre isso aqui.



30 julho 2015

O Alvo de Batismo e a Demanda por Crescimento



Queremos crescer. Equiparamos crescimento com cumprimento da missão. Não está de todo errado, porque a Palavra do Senhor não volta vazia. Os que se deixam influir por Seu Espírito abraçam a proposta de vida do Evangelho. Um evangelho que sacode as entranhas humanas e, como uma semente, germina em novas ações, em um novo contemplar da existência.



A igreja tem de avançar para alcançar o mundo. Disponibilizar a salvação que Deus oferece gratuitamente. Mas a agressividade empresarial, com suas metas e burocracia, não pode render o espírito de serviço próprio da evangelização. Temo que uma cultura enraizada apague o verdadeiro e belo sentido da missão.

Não há em nenhuma parte do Novo Testamento uma desenfreada demanda por batismos. Nada que justifique o batismo como fim em si mesmo. Por definição, ele é símbolo da morte e ressurreição em Cristo. Para alguém chegar a esse ponto de entrega espiritual precisou ser submetido ao discipulado antes. Estranho que hoje concebamos o discipulado como algo que ocorra após o batismo, visando a conservação do recém-converso. Isso não é bíblico. Discipulado ocorre antes e depois do batismo. O verbo principal na grande comissão é discipular – qualquer bom estudioso do grego o sabe.

Mas parece que ignoramos o método histórico-gramatical quando nos convém. Não nos interessa saber o que diz o sentido original se isso conspira contra a visão de crescimento que sustentamos. Uma visão insana, que torna ministros em máquinas evangelísticas. Uma pressão administrativa, uma mentalidade triunfalista – poderia isso estar contribuindo para o genuíno cumprimento da missão?

Sei que há países em que não há mais batismos. Um amigo, que serviu como capelão no Líbano, contava que por lá se batizam os filhos de adventistas – e ninguém mais. Na Inglaterra conversei com um jovem que se tornou sensação nos círculos adventistas do país: de católico, converteu-se ao adventismo e se sentiu chamado para o ministério. Que pensariam os ingleses se soubessem quantos fazem o mesmo a cada semana em muitas regiões brasileiras!…

Não creio que a obsessão por alvos e a total apatia evangelística sejam as duas únicas possíveis saídas. O verdadeiro amor pelas almas deve nos levar a um evangelismo consciente, sensato, cristocêntrico, doutrinário e efetivo. As pessoas não devem ser convocadas a programas. Devem ser convidadas a uma aliança com Deus.

A história conta que William Miller, pioneiro do adventismo, obtinha formidável sucesso em suas pregações. Milhares se converteram a Cristo e passaram a acalentar a esperança na Segunda Vinda por sua influência. Qual o segredo? Miller amava o Seu Senhor, tornara a Bíblia o centro de sua experiência cristã e expunha suas convicções de forma extremamente lógica. Possuía senso de urgência, mas não era dado a excessos ou arroubos emotivos. Acho que isso já explica o seu sucesso.

Pr. Douglas Reis

Fonte: Questão de Confiança

27 julho 2015

A idade de ouro do catolicismo na política americana

Todos querem ser vistos com ele
Para ser eleito em 1960, John F. Kennedy, um católico, foi forçado a dizer à nação que ele não aceitaria ordens do papa. Nas eleições de 2016, tal separação não será necessária. Com um número recorde de católicos aspirantes à Presidência e o descontroladamente popular papa Francisco visitando a nação neste outono, muitos candidatos - católicos ou não - estão buscando maneiras de ligar-se à missão e visão desse pontífice argentino. Os tempos mudaram. Com um vice-presidente católico, seis juízes católicos na Suprema Corte, um presidente da Câmara de Deputados católico, e um grande número de católicos no Congresso, a idade de ouro do catolicismo na política americana chegou. Isso teria sido inimaginável há apenas algumas décadas atrás. Kennedy foi o primeiro presidente católico. O irlandês católico Al Smith provavelmente perdeu a campanha de 1928 por causa de sua religião.

Essa ascendência dos católicos para a vanguarda da política americana só foi acelerada pelo inovador papado de Francisco. Sua viagem de setembro para os EUA será o principal evento das primárias presidenciais de 2016.
Os políticos e os candidatos estão provavelmente planejando como utilizar melhor a primeira viagem do pontífice aos EUA para levar adiante suas agendas. A viagem do papa Francisco não será sobre política, mas seria ingênuo ignorar as implicações políticas de uma visita durante a qual ele é esperado para promover sua recente encíclica sobre o cuidado com a criação de Deus, a obrigação religiosa para defender a dignidade dos imigrantes, dos pobres e dos não-nascidos, e o escândalo moral da desigualdade social e de uma economia que mata [sem esquecer a proposta de que a guarda do domingo pode também ajudar a salvar o planeta].

O auge político da viagem será o seu discurso no Congresso dia 24 de setembro. [...]

Nota Criacionismo: “São de grande alcance os planos e modos de operar da Igreja de Roma. Emprega todo expediente para estender a influência e aumentar o poderio, preparando-se para um conflito feroz e decidido a fim de readquirir o domínio do mundo, restabelecer a perseguição e desfazer tudo que o protestantismo fez... Os homens cerram os olhos ao verdadeiro caráter do romanismo, a aos perigos que se devem recear com a sua supremacia. O povo necessita ser despertado a fim de resistir aos avanços deste perigosíssimo inimigo da liberdade civil e religiosa” (Ellen G. White, O Grande Conflito, p. 565 e 566).

03 julho 2015

Terremoto de 6,4 graus deixa seis mortos e 48 feridos na China

PEQUIM - Ao menos seis pessoas morreram e mais de 40 ficaram feridas quando um terremoto de magnitude de 6,4 graus atingiu nesta sexta-feira o distrito de Pishan, em uma zona rural da região de Xinjiang, no extremo oeste da China, informaram autoridades.

O ministério de Assuntos Civis informou um balanço de seis mortes. A agência estatal de notícias Xinhua disse que 48 pessoas ficaram feridas. As autoridades regionais registraram quatro tremores secundários.

Cerca de 80 das casas tradicionais da região, cujos habitantes são principalmente da etnia uigur, desabaram quando o terremoto pouco profundo aconteceu na madrugada a cerca de 160 quilômetros a noroeste da cidade de Hotan, de acordo com funcionários do serviço de emergência chinês.

"Até o momento, o terremoto provocou três mortes, entre eles um pai e um filho, e mais de 20 feridos", disse a China National Emergency Broadcasting (CNEB) em seu site na internet.

ADVERTISEMENT
O terremoto foi divulgado inicialmente em diversas magnitudes que chegavam até a 6,5. Foram registradas várias réplicas, a mais forte de magnitude 4,8, segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês).

Os moradores da região expressaram sua comoção pela intensidade do sismo nas redes sociais, apesar das autoridades terem dito que esperam que o número de mortos não seja muito alto.

— Se muitas pessoas estão reunidas num mesmo lugar durante um terremoto, isto pode levar a um desastre grave, mas neste caso, havia relativamente poucas pessoas pelo que não é tão grave — disse o investigador do Centro de Redes de Terremotos da China, Sun Shihong, à emissora estatal China Central Television.

Os terremotos atingem a China com frequência. Em agosto de 2014, um terremoto de 6,1 graus de magnitude matou 600 pessoas na província de Yunan. Em maio de 2008, um abalo de 7,9 graus de magnitude deixou 80 mil mortos na província de Sichuan.

Fonte O Globo

19 junho 2015

O cumprimento de Apocalipse 13 está a caminho

As profecias contidas no capítulo 13 de Apocalipse têm sido aguardada com muita ansiedade por todos aqueles que estão a esperar a segunda vinda de Cristo. Apesar que a metade do capítulo já se cumpriu durante a Idade Média (clique aqui e saiba mais), ainda falta a outra metade (A Besta que Emerge da Terra) para se cumprir. É precisamente sobre esse último tema que iremos tratar neste breve artigo.

Ontem (18/06/2015), o Papa Francisco publicou sua primeira Encíclica com o título Laudato Si [1] (‘Louvado sejas’, em português). O tema central abordado pelo pontífice foi o Meio Ambiente e o dever de todo cristão em protegê-lo. Certamente, é dever de todo aquele que acredita na existência de um Criador Inteligente por trás da natureza fazer o que estiver ao seu alcance para defender toda a criação das ameaças ecológicas.

O Erro de Francisco

O problema no discurso de Francisco, como bem identificou Michelson Borges, é "confundir deliberadamente o sábado com o domingo"[2,] para fazer, deste último, o dia de proteção ao meio ambiente e incutir na mente das pessoas a observância do domingo, como sendo uma orientação divina. Não existe um só linha em toda a Bíblia que autorize a mudança do sábado para o domingo. O sábado foi o dia instituído por Deus para o descanso semanal, sendo este dia, o sábado, escolhido para celebração da criação dos céus e da Terra. "Assim foram acabados os céus e a terra, com todo o seu exército. Ora, havendo Deus completado no dia sétimo a obra que tinha feito, descansou nesse dia de toda a obra que fizera. Abençoou Deus o sétimo dia, e o santificou; porque nele descansou de toda a sua obra que criara e fizera" Gênesis 2:1-3.

No livro de Êxodo, Moisés escreveu assim: "Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás, e farás todo o teu trabalho; mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus. Nesse dia não farás trabalho algum, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o estrangeiro que está dentro das tuas portas. Porque em seis dias fez o Senhor o céu e a terra, o mar e tudo o que neles há, e ao sétimo dia descansou; por isso o Senhor abençoou o dia do sábado, e o santificou." Êxodo 20:8-11.

Portanto, a ordem de Deus é guardar o sábado e não o domingo. Todavia, a ICAR transferiu o dia de descanso para o domingo sem nenhuma autorização escriturística com base na Palavra de Deus[3], a Bíblia. Por esse motivo, ela vem apoiando a evolução teísta, que defende a criação através de processos evolutivos, onde os dias literais de Gênesis 1 representam períodos de milhões de anos, na visão deles. Dessa forma, a semana da criação que culmina com o sábado como dia de descanso cai por Terra. Entretanto, a evolução teísta "é péssima ciência somada com péssima teologia e filosofia"[4].

Obama e o Erro de Francisco

Barak Obama apoiou as palavras de Francisco contidas na Encíclica Papal[5]: "Congratulo-me com Sua Santidade o papa Francisco pela encíclica, e admiro profundamente a decisão do papa em tratar sobre o tema – de forma clara, poderosa e com a autoridade moral completa de sua posição – pela ação com respeito à mudança climática global. Como o papa Francisco tão eloquentemente afirmou nesta manhã [ontem], temos uma profunda responsabilidade de proteger nossos filhos e os filhos dos nossos filhos dos impactos nocivos das alterações climáticas" [...] "Acredito que os Estados Unidos devem ser um líder nesse esforço, e que por isso estou comprometido a tomar ações ousadas no país e no exterior para reduzir a poluição por carbono, para ampliar a energia limpa e a eficiência energética, para garantir a resistência em comunidades vulneráveis e para encorajar a gestão responsável dos nossos recursos naturais." [...] "minha esperança que todos os líderes mundiais – e todos os filhos de Deus – reflitam sobre o chamado do papa Francisco a se unirem para cuidar de nossa casa comum."

Com esse pronunciamento, Obama demonstra apoio total às palavras de Francisco e promete empenho para que, não só os EUA, mas todo o mundo siga a orientação do Pontífice. Portanto, o cumprimento de Apocalipse 13, segunda parte, começou. Quando irá chegar ao clímax? Não sabemos. O que devemos fazer é aproveitar o tempo de graça que ainda temos e pregar, pregar e pregar.

O que fazer?

Precisamos ser cautelosos com nossos irmãos mais débeis, para que não tomem medidas extremas. Peço a todos os líderes que tomem cuidado ao tratar deste assunto com a igreja. Nada de sensacionalismos. Ela precisa saber? Sim, precisa. Contudo, necessitamos de sabedoria e bom senso para fazer esse trabalho.

Lembre-se: Deus ainda está no controle deste mundo e nada acontecerá com seus filhos que se mantiverem firmes. Horas difíceis nos aguardam, mas a proteção de Cristo e seus anjos está garantida. Se temos Cristo, temos tudo. A quem temeremos? Ninguém!!!

Os dias que estão diante de nós foi aguardado por todos os pioneiros desta igreja. Temos o dever de buscar em Cristo ajuda e sabedoria para cumprirmos nossa parte na profecia como Igreja de Deus e povo escolhido do Senhor, e muito em breve estaremos em festa nas mansões celestiais.

Que nos abençoe!!!

Hilton Bastos

Referências:


[1] http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/encyclicals/documents/papa-francesco_20150524_enciclica-laudato-si.html

[2] http://www.criacionismo.com.br/2015/06/laudato-si-e-o-erro-do-papa-francisco.html

[3] The Catholic Mirror 23 de Setembro de 1893 publicado pelo Cardeal James Gibbons

[4] http://www.criacionismo.com.br/2013/03/declaracao-de-um-cientista-criacionista.html

[5] https://www.whitehouse.gov/the-press-office/2015/06/18/statement-president-pope-francis%E2%80%99s-encyclical

Obama elogia atitude do papa e apela aos líderes mundiais

Apoiador do papa
A propósito da divulgação da encíclica papal Laudato Si, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, publicou a seguinte nota no site oficial da Casa Branca:
“Congratulo-me com Sua Santidade o papa Francisco pela encíclica, e admiro profundamente a decisão do papa em tratar sobre o tema – de forma clara, poderosa e com a autoridade moral completa de sua posição – pela ação com respeito à mudança climática global. Como o papa Francisco tão eloquentemente afirmou nesta manhã [ontem], temos uma profunda responsabilidade de proteger nossos filhos e os filhos dos nossos filhos dos impactos nocivos das alterações climáticas. Acredito que os Estados Unidos devem ser um líder nesse esforço, e que por isso estou comprometido a tomar ações ousadas no país e no exterior para reduzir a poluição por carbono, para ampliar a energia limpa e a eficiência energética, para garantir a resistência em comunidades vulneráveis e para encorajar a gestão responsável dos nossos recursos naturais. Temos também que proteger os pobres no mundo, que têm feito o mínimo para contribuir com esta crise iminente e são os que mais estão perdendo. Estou ansioso para discutir essas questões com o papa Francisco quando ele visitar a Casa Branca em setembro. E enquanto nos preparamos para as negociações climáticas globais em Paris, em dezembro, é minha esperança que todos os líderes mundiais – e todos os filhos de Deus – reflitam sobre o chamado do papa Francisco a se unirem para cuidar de nossa casa comum.”

Nota: É muito interessante ver esses dois poderes – o Vaticano (papa) e os EUA – liderando os esforços para salvar o mundo das consequências do aquecimento global. E mais interessante ainda é ver o presidente dos EUA sugerindo que “o mundo inteiro se maravilhe” diante de Francisco... (está na hora de darmos atenção redobrada ao capítulo 13 do livro do Apocalipse). [MB]

18 junho 2015

A Encíclica do Papa Francisco, o Domingo, o Sábado e o Meio Ambiente

Apoio e admiração totais
Hoje pela manhã, o papa Francisco saudou seus mais de seis milhões de seguidores no Twitter com a seguinte conclamação: “Convido a todos para fazer uma pausa para pensar sobre os desafios que enfrentamos em relação aos cuidados com a nossa casa comum.” Pouco mais de uma hora depois, outro tweet foi divulgado: “A cultura do descartável de hoje apela a um novo estilo de vida.” Sempre com a hashtag #LaudatoSi, que, na verdade, é o título da encíclica que o Vaticano divulgará oficialmente hoje. Conforme destacaram Bruno Calixto e Marina Ribeiro, em artigo publicado ontem no site da revista Época, hoje um bispo católico, um ortodoxo e um cientista ateu sentarão juntos na Sala do Sínodo, no Vaticano, e apresentarão aos jornalistas a primeira encíclica escrita exclusivamente pelo papa Francisco. “A escolha das pessoas que apresentarão o documento não é aleatória. O papa quer que sua encíclica – uma carta de ensinamento aos católicos – ultrapasse as fronteiras do catolicismo, chegue às ‘pessoas de boa vontade’ e influencie as decisões internacionais sobre o meio ambiente e o clima. A encíclica de Francisco, que empresta do Cântico das Criaturas de São Francisco de Assis seu título Laudato Si (‘Louvado sejas’, em português), fala especificamente sobre o impacto do homem no meio ambiente – ou na ‘Criação’ – e mostra como os homens podem viver em harmonia com a natureza, de acordo com a moral e a ética da Igreja.”

Obviamente que é louvável a iniciativa de um líder religioso como o papa de encabeçar um movimento ecológico com o objetivo de proteger a Terra da degradação que ela vem sofrendo ao longo dos anos. É evidente que os religiosos podem e devem dar sua parcela de contribuição para criar uma mentalidade de cuidado com a criação de Deus. O problema são as motivações, os argumentos, os objetivos e os erros por trás de todo esse discurso ecológico.

Não quero aqui me deter na ideia de que o ser humano seja o verdadeiro culpado pelo aquecimento global. Há cientistas que, embora não neguem esse aquecimento, não creem que a causa dele seja antropogênica. Poderíamos estar atravessando um novo ciclo de calor; a causa poderia ser outra, como a atividade solar; ou mesmo, como escreveu Ellen White, no livro O Grande Conflito, páginas 589 e 590: “[Satanás] estudou os segredos dos laboratórios da natureza, e emprega todo o seu poder para dirigir os elementos tanto quanto o permite Deus. [...] Nos acidentes e calamidades no mar e em terra, nos grandes incêndios, nos violentos furacões e terríveis saraivadas, nas tempestades, inundações, ciclones, ressacas e terremotos, em toda parte e sob milhares de formas, Satanás está exercendo o seu poder. [...] Essas visitações devem se tornar mais e mais frequentes e desastrosas. [...] E então o grande enganador persuadirá as pessoas de que os que servem a Deus estão motivando esses males. [...] Será declarado que os homens estão ofendendo a Deus pela violação do descanso dominical; que esse pecado acarretou calamidades que não cessarão antes que a observância do domingo seja estritamente imposta.”

E é exatamente sobre isso que eu quero falar aqui. Quero me deter num erro típico do romanismo, presente na encíclica Laudato Si: o erro de confundir deliberadamente o sábado com o domingo.

No capítulo II, seção 71 (a encíclica está disponível aqui), referindo-se à destruição do mundo por um dilúvio no tempo de Noé e sua posterior restauração, Francisco escreveu: “A tradição bíblica estabelece claramente que esta reabilitação implica a redescoberta e o respeito dos ritmos inscritos na natureza pela mão do Criador. Isto está patente, por exemplo, na lei do Shabbath. No sétimo dia, Deus descansou de todas as suas obras. Deus ordenou a Israel que cada sétimo dia devia ser celebrado como um dia de descanso, um Shabbath (cf. Gn 2, 2-3; Ex 16, 23; 20, 10).”

É bom deixar claro logo de início que, ao contrário do que afirma o papa, o sábado não foi dado a Israel apenas. Na verdade, o sábado foi dado à humanidade, no Éden, quando havia apenas um casal sobre a Terra (Gn 2:2, 3), e Jesus confirma isso ao dizer que o “sábado foi feito por causa do homem” (Mc 2:27), não do judeu ou de qualquer outro povo.

Embora cite o mandamento do sábado conforme está na Bíblia, no capítulo VI, seção 237 da encíclica, Francisco se permite reinterpretar o mandamento:

“A participação na Eucaristia é especialmente importante ao domingo. Este dia, à semelhança do sábado judaico, é-nos oferecido como dia de cura das relações do ser humano com Deus, consigo mesmo, com os outros e com o mundo. O domingo é o dia da Ressurreição, o ‘primeiro dia’ da nova criação, que tem as suas primícias na humanidade ressuscitada do Senhor, garantia da transfiguração final de toda a realidade criada. Além disso, este dia anuncia ‘o descanso eterno do homem, em Deus’. Assim, a espiritualidade cristã integra o valor do repouso e da festa. [...] A lei do repouso semanal impunha abster-se do trabalho no sétimo dia, ‘para que descansem o teu boi e o teu jumento e tomem fôlego o filho da tua serva e o estrangeiro residente’ (Ex 23, 12). O repouso é uma ampliação do olhar, que permite voltar a reconhecer os direitos dos outros. Assim o dia de descanso, cujo centro é a Eucaristia, difunde a sua luz sobre a semana inteira e encoraja-nos a assumir o cuidado da natureza e dos pobres.”

Conforme observou Filipe Reis, de Portugal, “não precisamos de muito esforço para perceber que o papa confunde o Shabbat bíblico do sétimo dia com o domingo, primeiro dia da semana, atribuindo a este a importância e solenidade que, biblicamente, apenas o sábado do sétimo dia possui. Ou seja, a validade do sábado do sétimo dia parece ter sido mudada para o domingo, primeiro dia da semana”.

Curiosa e e contraditoriamente, na secção 68 do capítulo II, Francisco escreve, citando os Salmos:

“‘Ele [ndr: Deus] deu uma ordem e tudo foi criado; Ele fixou tudo pelos séculos sem fim e estabeleceu leis a que não se pode fugir!’ (Sl 148, 5b-6).” O papa está correto aqui. Não podemos fugir das leis de Deus, muito menos alterá-las. O sábado faz parte dessa lei e é tão eterno que continuará sendo observado na Nova Terra (Is 66:23). Daniel 7:25, escrito cerca de 500 anos antes de Cristo, previu que no futuro haveria um poder religioso que se atreveria a mudar os tempos e a lei de Deus. A profecia, pra variar, estava corretíssima...

Por favor, tome algum tempo para assistir ao vídeo abaixo. Creio que lhe será muito esclarecedor e o situará devidamente nessa controvérsia entre o sábado e o domingo, que só tende a aumentar daqui para a frente.

Em seu artigo na revista Época, Bruno Calixto e Marina Ribeiro captaram com precisão a intenção do papa com essa encíclica: “Francisco escolheu com cuidado o momento da publicação e de seu ativismo ambiental. Em setembro, a Assembleia Geral da ONU se reunirá para aprovar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Ele pessoalmente discursará em Nova York. Depois, em novembro, haverá a Conferência do Clima em Paris, onde se espera que governos assinem um acordo global contra as mudanças climáticas. Segundo o secretário-geral do WWF-Brasil, Carlos Nomoto, o papa poderá desempenhar um papel importante nessas reuniões internacionais, aumentando a pressão para que governos enfim assumam compromissos nas negociações climáticas.”

Para Eduardo Felipe Matias, autor de A Humanidade Contra as Cordas: A luta da sociedade global pela sustentabilidade, as questões ambientais exigem a mobilização de todos os atores da sociedade, não apenas governos (num programa da rádio CBN, dois jornalistas também falam sobre isso). “Os efeitos que a encíclica papal pode ter sobre a comunidade internacional e sobre os católicos seriam ampliados se outras instituições religiosas se somassem a esse esforço. Não iremos alcançar um mundo mais sustentável sem mudar radicalmente a mentalidade das pessoas, e as diferentes religiões podem contribuir para essa mudança”, diz.

Felipe resume bem um assunto sobre o qual tenho falado em meu blog há quase dez anos: o ECOmenismo. Trata-se de um movimento de união de esforços que extrapola os limites das religiões e tem o potencial de coligar religiosos, místicos, cientistas, ativistas, ateus e outros grupos.

Estamos vivendo dias solenes. Deus nos ajude a estar firmados na verdade bíblica, cumprindo nosso papel, assim como o papa e outros estão cumprindo o deles.

Michelson Borges

Nota: Faça uma pesquisa neste blog utilizando a palavra ECOmenismo e descubra mais sobre o assunto.

16 junho 2015

Encíclica papal trata da “lei do descanso semanal”

Recado aos líderes mundiais
Na próxima quinta-feira, o papa Francisco vai divulgar oficialmente sua encíclica ECOmênica (tão aguardada) intitulada Laudato Si que, segundo ele, é direcionada a toda a humanidade, não apenas ao seu rebanho católico (confira). Nesse documento oficial, o papa faz propostas de contenção do aquecimento global e sugere que ele sirva de base para reflexão por parte dos líderes mundiais aos quais falará em setembro, na sede da ONU. O amigo Filipe Reis, de Portugal, traduziu algumas partes interessantes de uma versão preliminar da encíclica (aliás, veja que interessante o print do jornal Washington Examiner, abaixo, em que Francisco e Ben Carson aparecem na mesma página, algo que eu já havia destacado aqui). As partes traduzidas por Filipe são relacionadas com o domingo como dia de repouso. Leia os trechos a seguir, extraídos do capítulo 237 de Laudato Si:
“O domingo, a participação na Eucaristia tem importância especial. Esse dia, bem como o sábado hebraico, oferece-se como dia de restauração das relações do ser humano com Deus, consigo mesmo, com os outros e com o mundo. O domingo é o dia da ressurreição, o ‘primeiro dia’ da nova criação, cujo primeiro fruto é a humanidade ressuscitada do Senhor, garantia da transfiguração final de todo o mundo criado. Além disso, esse dia anuncia ‘o repouso eterno do homem em Deus’. Assim, a espiritualidade cristã integra o valor do descanso e da celebração.
“O ser humano tende a reduzir o repouso contemplativo ao âmbito do inútil e estéril, esquecendo que assim lhe retira da obra realizada a coisa mais importante: o seu significado. Somos chamados a incluir no nosso trabalho uma dimensão confortável e gratuita, que é diferente de uma simples inatividade. Trata-se de uma outra forma de atuar que faz parte da nossa essência. Dessa forma, a ação humana é preservada não só de um ativismo vazio, mas também da ganância desenfreada e do isolamento de consciência que leva a procurar exclusivamente o benefício exclusivo.
A lei do descanso semanal requer abster-se de trabalho no sétimo dia, para que ‘descansem o teu boi e o teu jumento, e respirem o filho de tua escrava e o estrangeiro’ (Êxodo 23:12). O repouso é um vislumbre alargado que permite voltar a reconhecer os direitos dos outros. Assim, o dia de descanso, cujo centro é a Eucaristia, espalha a sua luz por toda a semana, e nos encoraja a cuidar de nossa natureza e dos pobres.”
Como era de se esperar, o papa apresenta o domingo como dia de restauração das relações do ser humano com Deus, consigo mesmo e com a natureza, reforçando a dimensão ecológica do domingo. E o iguala ao sábado hebraico, como se a bênção que Deus atribuiu ao verdadeiro sétimo dia pudesse ser estendida a outro dia da semana. Para o papa, o domingo é o “primeiro dia da nova criação”, deixando de lado o último dia da criação (na qual Bergoglio não crê, pois considera Adão e Eva mitológicos), memorial da verdadeira criação divina. Assim, o que o papa faz (à semelhança do que fez João Paulo II) é se apropriar de conceitos relacionados ao sábado e reaplicá-los ao domingo.

Aguardemos o lançamento oficial da encíclica, na quinta-feira, e os desdobramentos do estudo e da divulgação desse documento. [MB]

Fonte: Criacionismo.com.br

05 maio 2015

LANTERNA

A certa altura de Ouse crer, escrevi isto aqui: "Desde crianças, ficamos empolgados com a história de José. Ficamos chocados pela forma como ele foi traído pelos irmãos, vendido como escravo para uma terra estrangeira, aprisionado, mas nos regozijamos quando ele, enfim, é colocado como governador do Egito.Tudo para que sua família fosse salva da fome que veio no tempo das vacas magras. Ele passa a ser um herói para nós. Portanto, conscientemente ou não, alimentamos a perspectiva de que há, em maior ou menor escala, um posto de governador do Egito esperando por nós em algum momento de nossa jornada. No entanto, desconsideramos o fato de que Deus poderia ter resolvido o problema da fome de outra forma qualquer, começando por evitar a própria seca que a ocasionou".

O fato de que algum bem foi extraído de todo aquele sofrimento injusto nos ajuda a ver sentido na coisa toda. Em nossa mente simplista e pequena, pensamos: ah, então ele sofreu tudo aquilo para isso. Como se ele precisasse estar naquela prisão naquele momento pois esse seria o único jeito que Deus encontrou de José ser promovido a governador do Egito... Como estamos sendo fustigados pelo sofrimento e pela injustiça nós também, é importante enxergar esse tipo de causalidade.

Mas se as coisas como pensamos, a maldade dos irmãos de José e a volúpia da esposa de Potifar seriam agentes de Deus.
 
Acho inútil pensar se tudo que aconteceu tinha que acontecer exatamente desse jeito, mas não é inútil pensar no que Deus está fazendo com nossas cabeçadas. Em Patriarcas e Profetas, Ellen G. White afirma que José foi uma espécie de profeta para o Egito, o primeiro deles, seguido por toda sua família e as quatro ou cinco gerações de hebreus que nasceram, cresceram e morreram lá.
 
Assim como Abraão e Isaque haviam sido para o canaanitas.
Nós somos a luz do mundo. No relógio divino, muito mais sábio que o nosso, havia o tempo de apontar a lanterna que era Abraão para Canaã. E, depois, chegou a hora de apontar a lanterna José para o Egito. Para que no futuro nenhum povo O acuse de falta de oportunidade.
 
E mais importante do que imaginar a razão exata do meu sofrimento hoje, é imaginar se Deus não estaria direcionando minha lanterna para algum canto escuro dessa Terra enquanto eu me ocupo de esconder a luz que sou embaixo do alqueire (o que quer que seja alqueire).
 

Marco Aurelio Brasil
SP, 01/05/2015
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...